Dúvidas comuns aos recém-formados em Comunicação - OLHaí

2 comentários
Em outubro de 2011 recebi um e-mail de um leitor do blog. Acredito que seja a aflição de muita gente em início de carreira. Não vou explicar muito. Leia:

Oi Marcelo, tudo blz?
Gostaria de saber sua opinão (que entende sobre essa área de comunicação) a respeito de um lance sobre mercado. Me formei em jornalismo em agosto de 2009, em Cons. Lafaiete. Não fiz estágio durante o curso e você sabe que o mercado é bem cruel. Geralmente o QI tem sido preponderante na hora de contratar alguém. Por isso até agora estou à deriva... rsrs Estive pensando se convém me candidatar em alguma dessas vagas que aparecem no Mercado Web Minas deixando claro que trabalharia por um salário abaixo do mercado. Não é questão de desvalorizar a minha carreira, mas é que talvez essa seja uma forma de entrar no mercado.
O que você acha disso? Será que pode dar certo?
Obrigado!
Saudações!
Wesley Vieira

Segue minha resposta, dada uma semana depois:

Olá, Wesley.
Tudo bem?
Desculpe demora na resposta.
Correria total essa semana.
Bem, o mercado mineiro é bem tacanho mesmo, se comparado com Rio e SP. A remuneração em BH já é baixa em relação a outros mercados. No interior, é ainda pior.
A vantagem de ser jornalista é poder atuar em várias frentes, muitas vezes como freela, até que se encontre algo fixo.
Eu já fiz muita coisa na área:
- programa de rádio em rádio comunitária
- transcrição/digitação de fitas cassete
- apresentação de eventos
- edição de vídeos
- produção de releases para eventos e revistas
- gestão de conteúdo para sites
- assessoria de imprensa
- gestão de redes sociais
- campanha política
- vídeo institucional
- etc

O negócio, primeiro, é procurar por diferentes veículos na sua cidade ou cidades vizinhas. Faça contatos com os sites de notícias, as retransmissoras de TV, os jornais locais, as produtoras de eventos, as prefeituras, as empresas de médio e grande porte da região, concursos públicos, tenha um blog e comece a falar sobre a cidade e região, se mostre mais, vá a eventos e mantenha seu network com colegas de profissão e de faculdade sempre ativo. Uma hora os trabalhos aparecem. Não é uma simples questão de cobrar mais barato. Quando você leiloa seu salário por baixo, fica parecendo que você não se valoriza ou que seu trabalho também será feito "por baixo", a não ser quando a própria empresa pede pretensão salarial. O que eu, particularmente, acho uma armadilha. Se você coloca muito, não te querem. Se coloca pouco, pensam que você está aquém da vaga e acabam contratando um com valor intermediário.
Continue tentando, pois o mercado, embora ainda pequeno, está em expansão.
Espero ter ajudado.
Abraço e boa sorte,
Marcelo Sander

Exatos 12 meses depois, recebo outro e-mail do Wesley:

Olá Marcelo, tudo bem?Não sei se lembra de mim... Sempre pedia alguns conselhos para você, o qual conheço do seu blog que é ótimo e referência. Sou de Lafaiete... será que lembra? Então, na luta diária para entrar no mercado, fui pra Sorocaba, interior de SP trabalhar numa assessoria de imprensa (um saco, heim?) e decidi voltar pro aconhchego. Aí, me bateu um estalo: Lafaiete é uma cidade próspera mas não possui uma revista moderna. Então, durante 6 meses eu e uma amiga, também jornalista, planejamos uma revista bimestral de extrema qualidade e em abril desse ano saiu o primeiro número. A OLHAÍ já está indo para a quinta edição e é toda voltada para a nossa região, sobretudo Lafaiete... É uma revista bem moderna pros padrões das cidades do interior mineiro: entrevista, cultura, ensaio de moda, turismo, saúde, bem estar... Olha, o negócio deu certo, viu? rs Enfim, me realizando nessa nossa área... A próxima capa, por exemplo, será a atriz Gorete Milagres (a Filomena)... Bom, é isso!Sucesso pra você!

Mensagens legais assim valem mais que qualquer Adsense! 
Fico imensamente feliz em saber que colegas de profissão estão trilhando seu próprio caminho, empreendendo em um mercado hora competitivo (nas capitais), hora incipiente (interior). Parabéns ao Wesley, vida longa à revista e que outros produtos jornalísticos venham coroar seu trabalho! 

E que a história do Wesley inspire outros profissionais!

*E-mails publicados com autorização do autor.

2 comentários :

Anônimo disse...

poxa! muuuito legal esse post! parabéns!

Revista Olhaí disse...

Eu agradeço a você, Marcelo, pelo apoio e dicas que foram fundamentais, de alguma forma, para desbravar esse mercado nosso que é osso duro de roer...
E parabéns pelo blog que é obrigatório para quem está começando(ou até mesmo para aqueles já no mercado.
Sucesso!