#Artigo: Como alavancar sua carreira com produção de conteúdo

Um comentário


Se você está estudando sobre Marketing de conteúdo, já deve ter ouvido (ou vai ouvir, em algum momento) que “conteúdo é rei”.

Porém, eu já acredito que (pelo menos hoje) o “rei” é o autor do conteúdo. Nesse paralelo, o rei normalmente é alguém que tem algo que as pessoas querem e esse algo seria o conteúdo que rei tem. O rei é quem leva os louros por possuí-lo.

A grande diferença desse estado monárquico é que no caso do Marketing de conteúdo, você não precisa (nem deveria) guardar para si esse algo, mas sim compartilhá-lo. Afinal, o valor de um conteúdo aumenta a cada vez que ele é compartilhado e consumido por mais pessoas.

Para deixar mais claro, veja alguns dos maiores produtores de conteúdo da história:


  • Jesus Cristo teve suas palavras reproduzidas no livro mais famoso da humanidade, a Bíblia;
  • A Amy Winehouse ficou mundialmente conhecida por suas composições, pela forma como as reproduzia e também pelo conteúdo que era produzido sobre ela (paparazzis, mídia, mídias sociais);
  • Leonardo Da Vinci é reconhecido por ter pintado diversos quadros (produzido diversos conteúdos visuais), entre eles a Mona Lisa, talvez o quadro mais replicado, registrado e comentado da história (ele é tão valioso que não possui um preço, pois não será vendido - e é por isso que você não o encontrará na lista dos mais caros);
  • A J. K Rowling é uma das escritoras mais bem sucedidas da história, por ter criado todo o mundo de Harry Potter em livro, que depois foi replicado em jogos, desenhos, brinquedos e etc.
  • Albert Einstein se tornou uma referência mundial de física e inteligência após publicar sua teoria geral da relatividade (e outras tantas mais);
  • O Whinderson Nunes se tornou o maior Youtuber brasileiro divulgando vídeos simples e sem edição - apenas com seu conteúdo;
  • A Netflix entrou no mercado e cresceu Mas a consolidação real de sua marca acontece com os conteúdos exclusivos produzidos por eles: as séries originais da Nextflix (House of Cards, Stranger Things, Sense8 e muitas outras que você já deve conhecer).


Esses são apenas alguns exemplos do poder que o conteúdo pode trazer para quem os produz, de forma genérica.

Portanto, quero que note algumas semelhanças nesses exemplos que listes:


  • Todos começaram de algum lugar e seus primeiros conteúdos não foram os melhores. 
  • Todos tiveram resiliência e fizeram por diversas vezes - eles não buscavam apenas o title shot, fizeram e fizeram e fizeram…
  • Por trás do conteúdo de todos, havia um propósito maior. Longe do papo de auto ajuda, esse propósito fez com que tivessem foco no que iam criar e por isso se tornaram referências naquilo que publicavam;
  • Todos publicaram seu conteúdo - TORNARAM PÚBLICO;
  • Todos , em algum momento, publicaram nos veículos e formatos CERTOS (novamente, não foi um acerto único, foi tentativa e erro)


Quando falamos de conteúdo no marketing, muitas pessoas já puxam da memória um artigo/post de blog. Mas conteúdo vai muito além de artigo de blog: vídeos, infográficos, games, podcasts, eventos, livros e etc. E se você abrir sua mente para isso, a sequência, qualidade e formato de conteúdos que você vai conseguir produzir serão ilimitados.

Antes de começar no marketing digital, fiz um estágio em um grande veículo de mídia e fiquei responsável por alimentar uma página de uma mídia social (na época do Orkut ainda), que tinha por volta de 100 visualizações por mês.

Despretensiosamente, eu e mais dois estagiários começamos a ver que por trabalhar naquele grande veículo, conseguiríamos ter acesso à eventos e pessoas relevante.

“Mas como fazer isso?”

“Bom, vamos fazer entrevistas com essas pessoas, elas adoram dar entrevistas”

“E os eventos?”

“Vamos cobrir os eventos com fotos e releases!”

Funcionou. O número de eventos e pessoas que entrevistamos e eventos que cobrimos eu não sei contar. O fato é que saímos de 100 visitas por mês para algo em torno de 500 por mês.

Pouco né? Mas ficamos felizes, nossa chefe ficou feliz e para nos dar crédito, pediu para que uma outra empresa do grupo daquele veículo colocasse um banner destacado em seu portal digital - o maior do grupo.

Tivemos 2000 acessos. Em um dia! \o/.

Isso abriu minha mente para produção de conteúdo - mesmo não conhecendo nenhum dos termos e ter zero experiência formal com Marketing Digital na época. Mas aquilo me levou a estudar marketing digital.

Depois de trabalhar com conteúdo para várias marcas, apanhar, errar, acertar às vezes e notar que aquilo ainda era um gargalo na maioria das empresa, comecei a ter contato com empresas que levavam a sério a produção de conteúdo e colocavam esse conteúdo em todo o funil de vendas.

Conteúdo para vender!

“Tá maluco cara, desde quando artigo de blog vende alguma coisa?”

Olha, tem gente que vende conteúdo (e ganha muito bem). Para falar a verdade, o que vende é o conteúdo. Produzir conteúdo se tornou diferencial competitivo em um mercado, que independentemente do nicho, direciona para a comoditização de serviços e produtos (a demanda acaba exigindo isso, no fim do dia, somos bombardeados com marketing de produtos que são similares no propósito, nas funcionalidades e no modelo de negócios).

Como via que precisava aprimorar minhas habilidades, comecei a produzir, novamente, conteúdo, só que agora para meu blog pessoal.

Comecei com um blog sobre startups, na época que estava me envolvendo mais com isso e fui à Campus Party em São Paulo, e durante esse evento, a empresa de dois grandes amigos meus (a Overpower Studios, uma startup de games de alta qualidade), recebeu, durante o evento, um aporte com investimento.

Em meio às turbulentas competições de LOL (League of Legends) e competições de desempenho de computador, essa foi a grande notícia do evento na parte de feira de startups, a primeira edição desse tema no evento.

No stand da startup surgiram de Globo News à Jornal Nacional, criando - novamente - conteúdo sobre aquele acontecimento.

Aproveitei minha “informação privilegiada” e pedi ao meu amigo o powerpoint da apresentação que havia conquistado o investimento. Publiquei na íntegra no meu blog e descrevi os bastidores daquela conquista, o hard work que teve, a equipe se mobilizou para ajudá-lo. Resultado: 10.000 acessos em um único artigo.

Esse blog acabou, porque meu foco mudou, mas já estava convencido de que conteúdo era o caminho.

Foi então que descobri o WhatsApp e fiquei espantado com o potencial que tinha para marketing e vendas. Comecei a testar o app, comecei a utilizá-lo para vender alguns serviços da minha empresa na época e decidi “tenho que publicar algo sobre isso, rápido”.

Em uma semana eu escrevi um ebook de 40 páginas sobre as formas de utilizar o WhatsApp em empresas. Publiquei e divulguei esse conteúdo e juro - despretensiosamente.

Esse ebook chegou na mão de pessoas que admiro muito, como é o caso do Marcelo Sander, proprietário do blog que você está lendo agora. Foi no Mercado Web Minas que tomei conhecimento que a Casa Mineira, imobiliária na qual construí o setor de Marketing Digital, estava buscando um gestor para o Marketing Digital - e que agora estou aqui.

Esse ebook me trouxe diversas oportunidades, cursos e palestras, consultorias e me fez chegar aonde estou hoje. Não sou guru de conteúdo, não tenho um blog de mega-sucesso nem um canal bombado no Youtube. E nem gosto de ditar regra de nada (até por que eu tenho coisa demais para aprender nessa vida). Mas eu posso te garantir: produzir conteúdo vai te levar mais longe do que você está hoje, ou conseguiria sem ele.

E por isso, listei algumas coisas que uso, busco utilizar e vejo outras pessoas de referência que conseguiram alavancar suas carreiras, empresas e mensagem só produzindo conteúdo:

Tenha um norte;
Esse norte pode ser uma persona, um propósito pessoal, um hobbie ou o direcionamento de sua carreira. Pode ser também a criação de uma persona, uma das técnicas de Marketing de Conteúdo. Lembre-se dos exemplos; eles produziram muito sobre determinados assuntos. Você não precisa ser um especialista extremo e só falar de um assunto. Mas é interessante que os assuntos dos quais você fala tenham amarras e se complemente. Ou que você saiba distinguir claramente cada um dos meios. Eu recomendo que você procure foco, algo do qual sofri muito com sua falta, para encontrar sobre o que criar de conteúdo.

Não pare de produzir - seja resiliente;
Você não se tornará um popstar com um artigo de blog. Nem vai ser um grande sucesso com apenas um vídeo. Quem consegue esse tipo de coisa, conta com sorte e normalmente não se sustenta.

Ao invés disso, produza mais e mais. A primeira publicação do Albert Einstein não foi a sua mais famosa. Basta olhar no Wikipedia o tanto de publicações que ele fez antes de publicar a Teoria Geral da Relatividade. Lógico que estou falando de uma lenda humana, mas por melhor que tenham sido todas suas publicações, ele foi construindo sua carreira degrau por degrau, impressionando e recebendo críticas de pessoas a pessoas até que seu conteúdo chegasse à toda a humanidade.

Algumas formas de nunca parar de produzir é ver o que seus concorrentes estão produzindo e produzir algo muito melhor.

Outra e contar com seus seguidores e perguntar o que eles querem - as vezes nas reclamações, dúvidas, sugestões e críticas ao seu conteúdo, eles já “te entregam isso de bandeja”. E isso tem muito valor.

Publique;
Imagine se a J.K Rowling tivesse terminado o Harry Potter e estivesse satisfeita com o que escreveu e não publicasse? Imagina se o Whinderson tivesse ficado com vergonha de postar seus vídeos sem camisa em uma casa humilde? PIOR - imagine o tanto de pessoas brilhantes no mundo que não tem interesse, tem vergonha ou simplesmente não querem publicar sua obra? Ora, eu acredito que todo mundo tem pelo menos algo de bom para compartilhar, uma novidade ou uma nova perspectiva de coisas que já existem. Você pode escrever,filmar e falar sobre o que quiser. Não deixe que o medo de publicar impeça você de subir os degraus do seu sucesso, seja lá o que isso significa para você!

Promova;
Dentro de vários fatores que estipulam o valor de uma obra de arte, está o local onde ele é exposto.

Um exemplo é o Van Gogh, que em vida não foi famoso nem tão reconhecido, mas quando suas obras foram re-descobertas e admiradas por algum crítico, este as levou à París e ai sim obteve reconhecimento e se consolidou como um dos maiores artistas da história.

Promover seu conteúdo com a mesma frequência que os produz e publicar nos melhores locais é determinante para mais ou menos sucesso.

Entenda que seu conteúdo fala por você;
As pessoas que leem seu conteúdo estão te escutando, atentamente e seu interrupções. Por vezes, quando quero comunicar algo à alguém e sinto que com palavras será conflituoso, escrevo uma carta ou mensagem.

É necessário ter muito cuidado com a forma como você registra sua mensagem, pois o que você falar/escrever/gravar ficará registrado. Basta se lembrar da Bel Pesce, de como algumas coisas que ela disse não se confirmavam com outras vezes que ela falava as mesmas coisas. Isso tudo veio à tona - e pode acontecer sem esses cuidados.

Estude, aplique e replique.
Produzir conteúdo para mim é uma forma de aprender. Aprender porque eu sei da responsabilidade de publicar algum conteúdo na internet. Já refiz, deletei e alterei vários conteúdos. Mas tanto no erro como nas referências que buscamos, estamos aprendendo - e o verdadeiro aprendizado se forma na ação, na execução de algo. A partir dali, você consegue replicar o que deu certo e corrigir aquilo que errou.

Conclusão
Com o tempo, isso tudo vai se moldando e se mostrando um conteúdo cada vez melhor, mais interessante e de que as pessoas vão gostar e se interessar - pessoas essas que poderão lhe gerar oportunidades e se tornar grandes amigos, parceiros, colegas de trabalho ou só seguidores!

Marcos Lenine
Publicitário e especialista em Marketing Digital, trabalha com planejamento e gerenciamento de projetos digitais desde 2008. É também professor e palestrante nas áreas de Mídias Sociais e Marketing Digital. Especialista em Whatsapp Marketing

Um comentário :

Hanna Fernandes disse...

Sensacional ��������